1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Sem votos)
Loading...

Modelos de Redação do Enem 2018

O primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio – Enem surpreendeu a diversos estudantes brasileiros com o tema da redação nessa edição. Essa foi uma edição do Enem com o menor índice de ausentes nos últimos anos e com um número menor de atrasados. O Enem 2018 abordou como tema da redação a “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet” deixando de lado os temas abordados nos últimos anos com questões sociais ligadas a direitos humanos e minorias.

O uso de dados influencia muito na escolha e navegação do usuário, ou seja, manipulam a internet para influenciar o comportamento do usuário. Os textos que os candidatos tiveram como base, apresentaram dados sobre o percentual de pessoas por faixa etária e social que utilizam a internet. Os candidatos ao Enem precisaram de muita atenção para não fugir desse foco e seguir as estruturas precisas de texto. Professores de cursinhos online elaboraram dois textos que poderiam servir de exemplos para a Redação do Enem 2018. Confira:

Modelos de Redação do Enem 2018

Modelos de Redação do Enem 2018

Modelos de Redação do Enem 2018. Imagem: divulgação

Liberdade Coercitiva

A partir de meados do século XX, inicia-se uma nova fase de processos tecnológicos: a Terceira Revolução Tecnológica e o advento da internet. Se o ambiente virtual, outrora, assustava por ser desconhecido, atualmente os usuários estão imersos no ciberespaço, onde, por exemplo, compram, vendem, se relacionam e dão permissões de acesso às suas informações indiscriminadamente. Nesse sentido, não é razoável que indivíduos não tenham amplos poderes sobre seus dados pessoais, o que acarreta hostilidade e insegurança na internet.

A priori, é importante ressaltar que a amplitude do ambiente virtual pode ser danosa à liberdade. Os algoritmos de sites e aplicativos agem de forma coercitiva: captam aspectos do internauta e criam uma bolha, um simulacro de lugar confortável, em que músicas, postagens, páginas são sugeridas ao usuário, fazendo, assim, com que ele perca autonomia de escolha e seja submissível e influenciável. Assim, no período eleitoral brasileiro, o então presidenciável Jair Bolsonaro foi beneficiado por empresas que compraram pacotes de envio de mensagens por whatsapp para a disseminação de Fake News,dentre os compradores, Luciano Hang, dono da Havan, conforme noticiado na “Folha de São Paulo” e no “El País”.

Outrossim, a utilização de dados para manipular sujeitos podem causar o “Efeito de Manada”. Dessa forma, indivíduos de um grupo reagem da mesma forma, embora não haja direção planejada, deixando clara a perspectiva alienada e a propensão a ser massa de manobra. Fabrício Benevenuto, professor da UFMG explica que esse padrão comportamental é baseado na vontade de o indivíduo se isentar de responsabilidades quaisquer e dar mérito às escolhas dos outros indivíduos. Sendo assim, o Marco Civil da internet, que visa a regulamentação das tramitações online a fim de preservar o cidadão não dá conta dessa tarefa, pois é nessa esfera que a propagação e utilização de informações para doutrinar os seres.

Impende, portanto, que a manipulação dos dados das pessoas é uma questão de liberdade de pensamento e, por isso, direito do cidadão. Cabe ao Ministério da Educação a implementação de programas e alterações nos currículos básicos a fim de que haja literacia digital, para que todos sejam autônomos. Paralelamente, O Marco civil da internet deve ser repensado pelo Poder Judiciário a fim de aumentar fiscalização das corporações que se utilizem de informações com má fé e penalizá-las, quando necessário, visando o bem-estar social conforme prevista na Constituição Federal de 88.


Redação modelo 2:

Liberdade Paradoxal

“Tornou-se chocantemente óbvio que a nossa tecnologia excedeu a nossa humanidade”. A reflexão de Albert Einstein em meados do século XX se faz presente no cenário atual, com o advento da internet. Embora a ampliação dos meios de comunicação virtual, além da exposição demasiada se seus usuários existam, a insegurança sobre as informações transmitidas no ciberespaço, atrelada à insuficiência de políticas públicas garantidas na decisão própria, fragiliza o internauta.

Em primeiro lugar, é necessário ressaltar que, por mais que os indivíduos tenham autonomia de ir e vir no ambiente virtual, não há pleno conhecimento do caminho de seus dados disponibilizados, tampouco da relação algorítmica que lhes é traçado. Como visto no caso Cambridge Analytica, ocorrido em 2016, em que a empresa britânica utilizou informações acessíveis pelo Facebook para promover a candidatura do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Essa relação paradoxal entre a exposição indevida da privacidade de cada usuário cibernético, através de seus gostos e preferências, ratifica a fragilidade construída através da falsa sensação de poder de escolha.

Apesar da vulnerabilidade criada pelo controle de dados, medidas protetivas já existem no cenário global e brasileiro, no entanto, fazem-se insuficientes no que tange à liberdade de escolha. Segundo dados do IBGE, no Brasil, pouco menos de um terço da população acima de dez anos já teve contato com a internet, sendo, em sua maioria, interação através das redes sociais. Não obstante do idealismo platônico, a sutil filtragem de notícias, músicas e filmes concretiza ao homem sua própria caverna, sem abranger as multiplicidades existentes no mundo on-line, tornando-o influenciado por uma realidade inexistente.

Impende, pois, que o século XXI é pautado por uma contraditoriedade entre a necessidade de informação e a doutrinação em massa. Assim, faz-se necessário a ampliação de medidas que protejam os indivíduos para além da liberdade de expressão, mas que os assegurem de não serem delimitados por filtragens sistemáticas. A lei do Marco Civil da Internet, então, deve regulamentar e multar empresas que selecionam o perfil de seus usuários, com a finalidade de garantir sua devida autonomia. Além disso, as escolas devem institucionalizar a disciplina de letramento digital, para que os jovens futuramente gozem do direito da liberdade de pensamento. Somente deste modo a relação do homem com a tecnologia não será excedida, como disse Einstein, mas sim, equilibrada.

Recomendados para você:

[Grátis]
[Grátis]